Mestrado Chapecó

Mestrado Profissional em Administração

Os concluintes deste Mestrado Profissional em Administração (MPA) têm as mesmas prerrogativas do egresso de mestrado da modalidade acadêmica.

O curso de Mestrado Profissional em Administração (MPA) foi o primeiro no Oeste Catarinense, Sudoeste do Paraná e Noroeste do Rio Grande do Sul. Devido ao caráter teórico-prático, oportuniza aos egressos alargar seu horizonte conceitual e sua bagagem de ferramentas para lidar com um ambiente cada vez mais complexo e exigente, ou seja, alinhando a teoria e prática. Está diretamente ligado ao contexto organizacional e ao desenvolvimento regional e busca, por meio de estudos científicos, aplicar novos conceitos e tecnologias de gestão com foco na inovação.

Objetivo Geral

Desenvolver e disseminar conhecimentos aprofundados, práticas de gestão e estratégias que contribuam para o incremento da competitividade e da sustentabilidade das organizações, atendendo demandas sociais e profissionais visando ao desenvolvimento sustentável.

Objetivos Específicos

a) Realizar pesquisa científica que oportunize compreender e intervir na realidade organizacional para o desenvolvimento dos territórios nos quais se insere;

b) Difundir conhecimentos que contribuam para a melhoria contínua da gestão das organizações;

c) Desenvolver estudos para o desenvolvimento da competitividade e da sustentabilidade do agronegócio e demais setores da base produtiva;

d) Utilizar a interação contínua e sistemática com organizações públicas, privadas e do terceiro setor como estratégia de ensino-aprendizagem;

e) Qualificar profissionais para analisar organizações e suas relações, e propor soluções relevantes à realidade contextual;

f) Capacitar profissionais para identificar e utilizar o conhecimento científico e a pesquisa em administração no seu cotidiano.

A partir da necessidade observada na região Oeste Catarinense da oferta de um curso de Pós-graduação, nível stricto sensu, na área de Administração, iniciou-se, em 2009, um trabalho sistemático na Unoesc de desenvolvimento de corpo docente, de pesquisa e de proposta pedagógica que resultou numa proposta de criação de um Mestrado Profissional em Administração (MPA). Esta proposta foi apresentada para a Capes e obteve recomendação em 2012.
Contando com o apoio integral dos coordenadores de cursos das áreas de gestão da Unoesc, sobretudo os coordenadores de Administração e de Ciências Contábeis, o MPA foi planejado e estruturado pelo seu grupo de docentes. A motivação maior do corpo docente ao desenvolver a proposta foi em oferecer oportunidade de formação e de continuidade de estudos de alto nível para os egressos da Unoesc e de outras IES da região, com ênfase na contribuição relevante para o desenvolvimento organizacional e regional. Deste entendimento da necessidade de oferta de um Programa que fizesse “parte da solução” nas demandas regionais por desenvolvimento sustentável, o corpo docente assumiu como área de concentração a Sustentabilidade e o Agronegócio e tem trabalhado pela cada vez maior consolidação e qualificação de sua produção bibliográfica e tecnológica, bem como de sua inserção nas organizações pela pesquisa aplicada e relevante e pela atividade de consultoria, demandada para Mestrados Profissionais na área de gestão.

Após a recomendação do MPA pela Capes em agosto de 2012, o corpo docente dedicou-se a preparar o processo seletivo, a divulgar o início das atividades do MPA e a planejar coletivamente as estratégias de ensino e pesquisa. Outra frente de trabalho foi o estreitamento dos relacionamentos com os centros de pesquisa e organizações no Brasil e no exterior com as quais o Mestrado Profissional em Administração da Unoesc firmou Protocolos de cooperação, a fim de solidificar a rede de inserção social e científica que suporta as atividades de ensino e pesquisa do MPA.Com as condições exigidas pela comissão de avaliação da Capes plenamente alcançadas, a Unoesc implantou o MPA em Chapecó, visando atender, sobretudo, o Oeste Catarinense, o Sudoeste do Paraná e o Noroeste do Rio Grande do Sul, sendo este o primeiro Mestrado em Administração desta vasta região. Desta maneira, a oferta do MPA tem contribuído para o processo de interiorização da educação superior, diminuindo as assimetrias regionais, sendo este um imperativo estratégico declarado da ação da Capes.

O MPA tem gerado, desde a sua implantação, forte impacto na produção de conhecimento aplicado, especialmente para a região na qual se insere. O Programa assumiu a realidade regional como campo de estudo e de intervenção social, principalmente por que o modelo econômico que caracteriza o território de sua abrangência tem dado mostras de seu esgotamento, notadamente pela carência de qualificação da força de trabalho capaz de buscar alternativas que favoreçam um estilo de desenvolvimento de fato sustentável.
O MPA contribui para desenvolver profissionais que, de posse de conhecimentos, habilidades e atitudes voltados para a sustentabilidade e competitividade em gestão, façam a diferença nesta região (e em outras que venham a atuar), como agentes de desenvolvimento, propondo soluções sustentáveis e novas formas de organizar tanto o processo produtivo quanto a articulação de atores públicos e privados. A problemática central da região é a perda de competitividade dinâmica em função da alta dependência do modelo econômico em relação à grande agroindústria e o esgotamento do estilo de crescimento adotado, que priorizou, nas últimas décadas, o aspecto econômico em detrimento do social e do ambiental. Estes elementos ilustram a urgência de se repensar o modelo de desenvolvimento da região, por meio de pesquisa e da formação de profissionais com visão estratégica e sustentável, o que vem sendo realizado pelo MPA, seja pelos projetos de pesquisa e intervenção social, seja pelos TCFCs: Trabalhos de Conclusão Final de Curso. 

As modalidades do TCFC foram pensadas de forma a atender a Portaria Normativa nº 17, de 28/12/ 2009, buscando formas inovadoras de elaboração e apresentação do trabalho final do mestrando. Desta forma, manteve-se a opção do discente realizar a forma convencional da Dissertação, mas agregaram-se novas possibilidades de modalidades de TCFC: o Projeto de intervenção em realidade organizacional ou social (empresa, terceiro setor, organização pública, rede, fórum, entre outros); o Desenvolvimento de soluções e inovações na forma de modelos e/ou sistemas de gestão. Nas três modalidades de TCFC (Dissertação, Projeto de Intervenção e Desenvolvimento de Soluções) exige-se o rigor no uso do método científico combinado com a explicitação da aplicabilidade do estudo, este último como forma de atender ao aspecto profissional do Mestrado e como resultado a ser oferecido para a organização e para a comunidade, tanto acadêmica quanto social.

Os docentes do MPA têm se dedicado a qualificar pessoas para o exercício da prática profissional avançada e transformadora de procedimentos, visando atender demandas sociais, organizacionais ou profissionais e do mercado de trabalho. O grupo docente adotou como pano de fundo para a prática pedagógica os princípios da andragogia e da metodologia da problematização. Por meio destes pressupostos, o ensino e aprendizagem são conduzidos de forma a integrar teoria e prática, com temas nascidos da realidade organizacional ou regional, trazidos por discentes, docentes e entidades parceiras, problematizados à luz de teorias e metodologias próprias do campo da Administração. Considera-se como diretriz didática que os discentes são adultos e, portanto, trazem saberes tácitos construídos ao longo de sua experiência profissional e de vida. Estes saberes precisam ser considerados nesta etapa de formação e cotejados com aqueles produzidos na academia visando à geração de novos patamares de análise da realidade organizacional e regional. Tem-se adotado também a estratégia do estudo de caso para o ensino como forma de aproximar o debate das disciplinas da realidade organizacional e regional.

Outra forma de aproximar teoria e prática tem sido a interface com as organizações por meio de visitas técnicas promovidas no escopo das disciplinas, bem como pelos depoimentos de empreendedores, gestores e técnicos de organizações com significativas experiências em gestão, sustentabilidade e ou agronegócio. Tanto as visitas técnicas quanto os depoimentos são analisados com base nos conceitos, teorias e métodos examinados ao longo das disciplinas do MPA.

Além da produção bibliográfica e tecnológica, os docentes do MPA participam de atividades ligadas às políticas públicas de desenvolvimento regional, contribuindo com estudos, elaboração de projetos técnicos, participação em comitês gestores, consultoria e assessoria. As atividades de gestão do MPA são desenvolvidas por meio da ação colegiada da qual participam docentes e discentes, contemplando o planejamento conjunto de atividades, o monitoramento permanente dos processos e resultados e a avaliação sistemática. Esta estratégia de gestão produz oportunidades de melhoria que são rapidamente implantadas pela coordenação de curso.
O corpo docente do MPA apresenta equilíbrio em relação ao perfil acadêmico e técnico e cada docente desenvolve um Projeto de Pesquisa denominado Integrador, pois consiste em um Projeto macro ao qual se vinculam os demais projetos do pesquisador, bem como sua atividade tecnológica e inserção na realidade organizacional e social.

A opção pela modalidade profissional demonstrou-se acertada na percepção captada entre discentes, docentes e comunidade, pois muitos dos discentes são empresários, agentes públicos, empreendedores ou profissionais que já atuam em organizações públicas e privadas. O MPA tem favorecido alargamento conceitual e repertório de ferramentas para este profissional lidar com o ambiente organizacional e do macro contexto.

Os resultados gerados no âmbito do MPA têm sido compartilhados na comunidade organizacional, regional e acadêmica por meio de periódicos científicos, palestras realizadas por docentes e discentes e pela produção de notícias veiculadas na página do MPA e na imprensa regional. Na linha destes esforços pela disseminação de conhecimentos relevantes para gestores e meio científico, o MPA edita e publica a Revista de Administração, Contabilidade e Economia (RACE), classificada com B2 no Qualis Capes área Administração, Contábeis e Turismo. O link de acesso para a RACE é: http://editora.unoesc.edu.br/index.php/race

Os docentes, discentes e pesquisadores parceiros se reúnem em dois Grupos de pesquisa: Gestão do Agronegócio e Sustentabilidade em Organizações. Estes grupos possuem uma dinâmica de funcionamento que, além de congregar pesquisas e pesquisadores, tem oferecido aos discentes e docentes eventos de aprendizagem sobre a prática e o uso de métodos de pesquisa.

Sustentabilidade e Agronegócio

A área de concentração Sustentabilidade e Agronegócio promove estudos referentes à sustentabilidade nas suas dimensões: econômica, ambiental e social. Esta área de concentração volta seu foco para a identificação, análise e prospecção dos fatores de competitividade e de sustentabilidade dos territórios e das organizações, especialmente aqueles ligadas ao setor do agronegócio. Considerando a sustentabilidade como condição para a implantação e consolidação de empreendimentos, assume-se esta prerrogativa que deverá perpassar, de maneira interdisciplinar, a pesquisa e a intervenção do Mestrado Profissional. A área se divide em duas linhas que se complementam, uma com foco na Sustentabilidade das Organizações e outra voltada para a Competitividade do Agronegócio.

Sustentabilidade em Organizações

Esta linha envolve estudos sobre a sustentabilidade das organizações públicas e privadas e das suas interfaces com o contexto territorial nas dimensões econômica, social e ambiental. Investiga elementos, espaços e temas preferenciais, como: competitividade organizacional, empreendedorismo, governança territorial, desenvolvimento regional, aprendizagem e conhecimento organizacional, estratégia competitiva, processos e sistemas de gestão organizacional e de gestão social. As diferentes sustentabilidades necessárias ao desenvolvimento organizacional e territorial consistirão elemento central da abordagem desta linha, seja para a pesquisa, seja para trabalhos técnicos ou, ainda, para a intervenção social. 

Competitividade do Agronegócio

Esta linha estuda fatores de competitividade do agronegócio, considerando os atores envolvidos, os processos gerenciais, as dinâmicas dos mercados, a inovação e a sua sustentabilidade. Investiga a caracterização das estruturas produtivas e as tecnologias empregadas para a competitividade, principalmente no que se refere ao estudo dos sistemas produtivos do agronegócio e da agricultura familiar, das cadeias produtivas, da gestão de empreendimentos agrícolas e das interconexões subjacentes a estas dinâmicas. 

Período
2 anos (24 meses)
Horários
Sextas-feiras das 13h às 22h30 e sábados das 8h às 12h
Carga horária
450 horas
Vagas
25 vagas anuais
Início das aulas
Fevereiro/Março de 2016
Local
Unoesc Chapecó
Investimento
36x de R$ 1.416,78
Matrículas
Confira
Mais informações
Coordenação

Prof. Dr. Nelson Santos Machado
mpa@unoesc.edu.br

Disciplinas

Linhas

h

Créditos

1

2

Obrigatórias

Sustentabilidade em Organizações

X

X

45

3

Competitividade Organizacional

X

X

45

3

Métodos de Pesquisa Qualitativa e Quantitativa

X

X

45

3

Seminário de Produção Científica e Tecnológica

X

X

45

3

Optativas

Conhecimento e Aprendizagem Organizacional

X

 

30

2

Economia Institucional e Redes

 X

X

30

2

Gestão Estratégica de Custos no Agronegócio

 

X

30

2

Desenvolvimento Regional

X

 

30

2

Finanças Corporativas

X

 X

30

2

Gestão Social

X

 

30

2

Estratégia Competitiva

X

30

2

Estratégia de Inovação

X

X

30

2

Fundamentos e Gestão do Agronegócio

 

X

30

2

Dinâmica dos Mercados Agrícolas

 

X

30

2

Empreendedorismo Sustentável

X

X

30

2

Tópico Especiais

X

X

30

2

Oficina Prática de Análise de Cadeias Produtivas

 

X

30

2

Oficina Prática de Análise de Investimentos

X

X

30

2

Oficina Prática de Plano Diretor

X

 

30

2

Trabalho de Conclusão de Final de Curso (TCFC)

X

X

90

6


Linha 1 = Sustentabilidade em Organizações

Linha 2 = Competitividade do Agronegócio

O aluno deverá concluir o curso em 24 meses, obtendo aprovação em 24 créditos em disciplinas e 06 créditos do Trabalho de Conclusão Final de Curso (TCFC). Também é requerido demonstrar   proficiência em inglês e comprovar produção científica, técnica, e/ou tecnológica, conforme Regimento.

O Trabalho de Conclusão Final de Curso (TCFC) poderá ser realizado em uma das seguintes modalidades:

1) Dissertação: resultante de trabalho de pesquisa com dados bibliográficos e fontes primárias e/ou secundárias. Consistirá numa pesquisa científica que poderá ser amparada em investigação de campo.

2) Projeto de intervenção: resultante de trabalho em realidade organizacional ou social (empresa, terceiro setor, organização pública, rede, fórum, entre outros), condizente com a área de concentração e as linhas no qual o mestrando analisará um dado fenômeno e proporá oportunidades de melhoria estruturada.

3) Desenvolvimento de soluções: resultante de trabalho na forma de modelos e/ou sistemas de gestão. Esta modalidade visa à proposição de métodos e modelos para a gestão de organizações e/ou redes, sem, contudo, a necessidade expressa de efetivá-los na realidade empírica no âmbito deste Trabalho de Conclusão Final do Curso.

Obs.: A Unoesc reserva-se o direito de substituir qualquer um dos professores sem prévio aviso, em função da disponibilidade ou qualquer outro fator que impeça o professor de ministrar a disciplina.
Voltar
Acesse o site da Unoesc pelo seu celular.